Como a inteligência artificial aprende?

Como a inteligência artificial aprende?

Inteligência artificial (IA) é o nome dado a tecnologias que permitem a um computador executar tarefas com certo grau de autonomia, no processo imitando o comportamento da inteligência humana – incluindo a capacidade de tomar decisões e aprender com a experiência. A inteligência artificial está cada vez mais presente no dia a dia e pode ser encontrada em serviços, dispositivos e avanços nas mais diversas áreas. Mas a maioria dos usuários ainda não sabe como funciona.

A IA “pensa”? Por mais impressionantes que sejam os resultados e as possibilidades futuras, ainda existem limitações para os aplicativos de IA. O que distingue a inteligência artificial de um programa de computador normal é o reconhecimento de padrões. Em um software projetado para resolver uma tarefa, o computador segue apenas as regras definidas pelo programador: a máquina não tem independência e decisões baseadas em scripts.

No caso da inteligência artificial, entretanto, a abordagem é diferente. Um computador é treinado para resolver um determinado problema usando milhares (ou milhões) de cópias dessa definição de problema. O computador começa a absorver padrões, identificar regras e ser capaz de reconhecer esses mesmos padrões em outras amostras de dados.

Porque tudo isto acontece independentemente da programação – a IA cria regras e “interpretações” a partir dos dados a que tem acesso – este tipo de tecnologia é definido como IA, ou seja, a inteligência artificial (IA) aprende com padrões para tomar decisões independentes.

Entenda como funciona a tecnologia, suas limitações e aplicações no seu dia a dia.

A inteligência artificial pensa?

Os computadores não têm a capacidade de pensar. Apesar dessa limitação, eles têm a vantagem da velocidade e podem realizar em poucos segundos uma série de cálculos que ocupariam uma equipe de matemáticos por horas. É essa capacidade, somada a algoritmos de software muito avançados, que permite que um computador, celular, carro ou outro dispositivo pareça inteligente.

Se na verdade não pensa, como a IA funciona? Em geral, as ações que parecem ser resultado da inteligência são, na verdade, resultado de um processo de aprendizado em que o computador é exposto a padrões. Ao ser exposto a milhões de exemplos de um determinado tipo – fotos, textos ou até jogadas de xadrez – o sistema aos poucos começa a categorizar as variações existentes entre cada exemplo até reconhecer elementos e situações.

Por exemplo, uma inteligência artificial treinada para jogar xadrez pode até aprender as regras do jogo observando a evolução natural dos lances estudados. Além de aprender as regras do jogo, o computador pode gerenciar padrões diferentes o suficiente para tornar seus movimentos complexos o suficiente para vencer o melhor jogador humano.

Esses tipos de técnicas também foram usados ​​para verificar os resultados de medições de mudanças climáticas na agricultura, exploração espacial e até mesmo no mercado de ações.

Um exemplo prático desse aprendizado de máquina foi observado na medicina, onde um especialista deve analisar cuidadosamente o resultado do exame para diagnosticar o paciente – afinal, ele pode até esquecer alguns detalhes. Porém, um computador treinado por milhões e milhões de testes pode se tornar mais qualificado do que um especialista para reconhecer os sinais de uma doença.

Isso não significa que o computador “pensou” que iria acertar – significa apenas que ele usou um repertório construído a partir da leitura de muitas imagens para identificar as mesmas características em outras imagens.

Entenda quais os limites da IA!

Limites da Inteligência Artificial

As aplicações atuais da inteligência artificial têm um viés estatístico. É uma ótima solução para resolver problemas que não possuem resposta binária – ou seja, onde a resposta não é sim ou não. A inteligência artificial hoje se destaca por fornecer resultados na avaliação de problemas complexos em que os modelos são determinísticos.

Em caso de conflitos, o computador pode acabar no caminho errado. Por exemplo, os fabricantes de automóveis com algum tipo de autonomia enfrentam constantemente casos extremos, não apenas na detecção de semáforos, mas também em direções de asfalto, sinais e tudo mais (exceto, é claro, outros veículos, pedestres e animais).

Saindo da hipótese e passando para casos reais, a Tesla, famosa por sua tecnologia de direção autônoma, já se deparou com acidentes fatais onde a falha da inteligência artificial em detectar corretamente os obstáculos pode ser a causa das colisões. Em pelo menos dois casos de morte, carros da marca não perceberam um caminhão atravessando a via. A IA manteve os carros na pista e colidiu com os caminhões.

Mas e onde a IA já está funcionando?

Onde a inteligência artificial já está funcionando?

A aplicação de algumas formas de inteligência artificial já é comum no dia a dia de muita gente: o assistente virtual no seu celular usa tecnologia, os veículos autônomos também usam tecnologias avançadas de inteligência artificial para navegar com segurança no trânsito em rodovias e grandes cidades.

Há também uma mudança geral para ambientes domésticos conectados, onde uma plataforma de IA pode gerenciar rotinas e automatizar tarefas domésticas. Aplicativos de redes sociais que aplicam efeitos em fotos e fornecem um “diagnóstico” sobre a personalidade do usuário também funcionam com algum tipo de inteligência artificial.

Sua TV pode ter algum tipo de inteligência artificial projetada para “limpar” imagens e exibir conteúdo originalmente de resolução mais baixa (como vídeos caseiros de 15 anos atrás) em uma tela 4K ou 8K de melhor qualidade de imagem. Tecnologia semelhante é usada pelas placas gráficas mais caras da Nvidia para melhorar a imagem dos jogos sem colocar tanta pressão no desempenho. A câmera do seu celular pode melhorar a qualidade das suas fotos sem que você perceba, usando algum tipo de pós processamento de inteligência artificial.

Conclusão

Há exemplos de tecnologia de IA em produtos de segurança digital e até mesmo na revisão de rotas, mapas e projetos de transporte público em grandes centros urbanos. Os mercados financeiros também aplicam esse tipo de técnica para interpretar as tendências do mercado como forma de prever movimentos que podem levar a lucros ou perdas.

Já convivemos com IA e o futuro já chegou, muitas novidades serão lançadas nesse sentido e é preciso estar sempre antenado nos lançamentos para não ficar pra trás.