RESTful API vs. GraphQL: Prós e contras de cada abordagem

RESTful API vs. GraphQL: Prós e contras de cada abordagem

Entenda o que é RESTful API e GraphQL e seus prós e contras com o artigo abaixo!

O que é RESTful API?

Uma API RESTful (Representational State Transfer) é uma arquitetura de aplicativos web que permite a comunicação entre diferentes sistemas ou aplicativos pela Internet, seguindo uma série de princípios e restrições.

As APIs RESTful são baseadas em um conjunto de operações HTTP (GET, POST, PUT, DELETE) e usam URIs (Uniform Resource Identifiers) para identificar os recursos que podem ser acessados pelos usuários. Além disso, as APIs RESTful não mantêm informações sobre as sessões do usuário, permitindo que as solicitações sejam tratadas independentemente e com maior eficiência.

A implementação de uma API RESTful bem projetada e documentada pode permitir que desenvolvedores criem aplicativos interoperáveis ​​que possam compartilhar dados e recursos de maneira confiável e escalável.

O que é GraphQL?

GraphQL é uma linguagem de consulta (query language) para APIs (Application Programming Interfaces) desenvolvida pelo Facebook em 2012 e lançada como código aberto em 2015.

Diferentemente das APIs RESTful, que possuem endpoints específicos para cada recurso, o GraphQL permite que o cliente defina exatamente quais dados ele precisa, tornando o processo de consulta mais eficiente e flexível. Com o GraphQL, o cliente pode solicitar dados de diferentes recursos em uma única consulta, recebendo apenas as informações solicitadas e evitando a sobrecarga de dados desnecessários.

Outra característica importante do GraphQL é a sua forte tipagem de dados. O cliente especifica os tipos de dados que espera receber na consulta, e o servidor garante que os dados retornados correspondam a esses tipos.

O GraphQL é amplamente utilizado em aplicativos web e mobile, e é suportado por diversas linguagens de programação e frameworks, incluindo JavaScript, Ruby, Python, Java, entre outras.

Prós e contras de cada abordagem

Tanto o RESTful API quanto o GraphQL são abordagens populares para desenvolver APIs (Application Programming Interfaces) na web. Ambas têm suas próprias vantagens e desvantagens. Aqui estão alguns prós e contras de cada abordagem:

RESTful API:

Prós:
  • Amplamente adotado e bem compreendido na indústria.
  • Simples e fácil de usar, especialmente para casos de uso mais simples.
  • Suporta uma ampla variedade de formatos de dados, como JSON, XML, HTML, etc.
  • Fácil de fazer cache e escalonar.
Contras:
  • Pode levar a muitas chamadas de API para obter todos os dados necessários, resultando em uma sobrecarga de rede.
  • Exige que você projete cuidadosamente a estrutura da API para evitar alterações frequentes.
  • Pode ser difícil de evoluir para novos recursos sem quebrar a compatibilidade com clientes existentes.
  • Pode ser difícil para dispositivos móveis com baixa largura de banda, já que muitas chamadas podem ser necessárias para obter todos os dados necessários.

GraphQL

Prós:
  • Permite que os clientes especifiquem exatamente o que precisam em uma única chamada de API, o que pode reduzir a sobrecarga de rede.
  • Facilita a evolução da API, já que os clientes podem solicitar apenas os novos campos necessários.
  • Fornece um esquema forte, que ajuda a evitar erros no código do cliente.
  • Permite que você obtenha todos os dados necessários em uma única chamada de API, reduzindo a sobrecarga de rede.
Contras:
  • Requer um pouco mais de tempo e esforço para ser aprendido e usado corretamente.
  • Nem todos os desenvolvedores estão familiarizados com a sintaxe e as melhores práticas do GraphQL.
  • Pode ser mais difícil de fazer cache e escalar, especialmente se os clientes estiverem solicitando dados diferentes em cada chamada.
  • Não suporta uma variedade tão ampla de formatos de dados quanto o RESTful API.